Telefone: (11) 3578-8624

REFORMA TRIBUTÁRIA E CORREÇÃO DO IR DEVEM SER TEMAS DE DESTAQUE NO RETORNO DO CONGRESSO NESTA QUARTA-FEIRA (1º)

1 de fevereiro de 2023

Câmara dos Deputados e Senado retornam ao trabalho nesta quarta-feira (1º) e temas tributários devem ser foco deste primeiro semestre.

Nesta quarta-feira (1º), a Câmara dos Deputados e o Senado retomam suas atividades e devem enfrentar neste primeiro semestre diversos temas prioritários do governo Lula, como a reforma Tributária e o arcabouço fiscal, que vai substituir o teto de gastos.

As discussões devem enfrentar um difícil avanço devido à complexidade dos temas e a divergência de opiniões dentro do Congresso.

Outro tema de ampla repercussão e muito aguardado pelos contribuintes, os parlamentares também devem analisar a correção da tabela do Imposto de Renda (IR) com a ampliação da faixa de isenção, que pode ser incluída como parte da reforma Tributária.

O Congresso também deve avaliar a atualização do teto do Simples Nacional.

Em um primeiro momento, o governo e o Congresso devem focar sua atenção às mudanças no sistema tributário, sendo que as articulações para aprovar a reforma do setor já vem ocorrendo.

Durante sua participação no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defendeu que as pautas tributárias sejam votadas neste primeiro semestre do governo Lula.

A PEC 45, que propõe a unificação de tributos sobre consumo em um Imposto sobre Valor Agregado (IVA) nacional, é um dos textos que devem ser abordados em breve e que deve receber esforços concentrados para aprovação em um primeiro momento.

Âncora fiscal

O debate sobre a reforma Tributária deve acontecer ao lado do debate sobre a nova âncora fiscal do país, que vai substituir o teto de gastos, e o texto sobre o arcabouço fiscal deve ser entregue até abril, segundo Haddad.

Ampliação do Simples Nacional

Depois de encontrar vários obstáculos em 2022, a atualização do teto do Simples Nacional deve ser prioridade neste primeiro ano de governo. Se aprovado, o limite para microempresas passa de R$ 360 mil para R$ 869,5 mil anuais. As empresas de pequeno porte teriam faturamento ampliado de R$ 4,8 milhões para R$ 8,7 milhões.

O Microempreendedor Individual (MEI) também deve ter seu limite de receita bruta ampliado, R$ 81 mil para R$ 144.913,41,

A Receita estima que estas mudanças poderiam provocar uma perda anual de R$ 66 bilhões para os cofres públicos.

FONTE: Contábeis – Por Izabella Miranda

Receba nossas newsletters
Categorias