Telefone: (11) 3578-8624

QUANTO VALE? STJ AFETA CASOS PARA CORTE ESPECIAL REPISAR TESE DOS HONORÁRIOS POR EQUIDADE

14 de dezembro de 2022

Corte Especial fixou tese vetando equidade em causas de valor elevado.

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça decidiu afetar à Corte Especial dois recursos especiais que tratam da possibilidade de fixar honorários de sucumbência pelo critério da equidade, mesmo que o valor da causa não se mostre muito baixo.

São dois processos em que, ao contrário, os montantes são tão altos que a aplicação da regra do Código de Processo Civil que prevê honorários de sucumbência de, no mínimo, 10% sobre o valor da causa levaria as partes derrotadas a pagar aos advogados dos vencedores quantias francamente desproporcionais.

O tema já foi julgado pela Corte Especial, que reúne os 15 ministros mais antigos do STJ. Em março de 2022, após longo julgamento e amplo debate, o colegiado fixou tese em recursos repetitivos proibindo o uso da técnica da equidade para causas de valor muito elevado.

Essa técnica, prevista parágrafo 8º do artigo 85 do CPC, é destinada apenas para casos “em que for inestimável ou irrisório o proveito econômico ou, ainda, quando o valor da causa for muito baixo”.

Nos demais processos, não importância a exorbitância do valor, deve-se aplicar o parágrafo 2º (regra geral) ou parágrafo 3º (em ações em que derrotada a Fazenda Pública), que preveem percentuais progressivos para estabelecer a remuneração devida ao advogado da parte vencedora.

Hora de rever

Em novembro, a presidência do STJ admitiu recurso extraordinário contra esse acórdão. Ou seja, a tese será analisada pelo Supremo Tribunal Federal, sob o viés constitucional. O STF já tem, inclusive, outra ação sobre o tema: a ADC 71, ajuizada pelo Conselho Federal da OAB, em que pede para confirmar a constitucionalidade do artigo 85 do CPC.

A aplicação dessa tese tem sido monitorada pela advocacia, cumprida “de mãos amarradas” pelos colegiados do STJ e em decisões monocráticas, mas desrespeitada por determinados tribunais de segundo grau e juízes.

A afetação de mais dois processos para a Corte Especial abre a possibilidade de definir um distinguishing — uma hipótese concreta em que esse enunciado, apesar de vinculante, não precisa ser aplicado.

A afetação foi proposta pelo ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, que tem se queixado do fato de o STJ ter se tornado “um tribunal de honorários”. “Não é de se espantar que estejamos novamente a julgar a questão de honorários”, disse, nessa terça-feira. “A matéria tem sido objeto de muita discussão. É um tema delicado”, justificou.

A ministra Nancy Andrighi, que encabeçou a corrente vencida na Corte Especial por entender cabível o uso da equidade em causas de valores muito altos, concordou com a afetação e destacou a previsão que o ministro Herman Benjamin fez ainda em março: de que o colegiado teria um encontro marcado para rever a tese.

“A Corte Especial precisa parar pra rever se está certo, se está errado, se confirma ou não confirma aquela decisão”, disse a ministra. “Realmente o tema é reiterado. Ele volta e voltará inúmeras vezes”, acrescentou o ministro Cueva. O ministro Moura Ribeiro concordou com a afetação. Ficou vencido o ministro Marco Aurélio Bellizze.

Falência sucumbencial

O REsp 1.743.330 trata do caso de uma empresa que interpôs embargos de terceiro contra o espólio de um homem sob a alegação de que estava sofrendo ameaça de constrição de um imóvel que lhe pertence, mas que foi incluído na partilha amigável após a morte do mesmo.

O juízo da 1ª Vara da Família e Sucessões de Manaus acolheu o pedido liminar e determinou a suspensão do cumprimento de sentença que homologou a partilha no processo de inventário. Em recurso, o Tribunal de Justiça do Amazonas extinguiu os embargos sem resolução do mérito por carência de interesse processual.

Segundo a corte, não existia ainda ato de constrição ou ameaça de sua produção jurisdicional que pudesse sequer embasar o pedido da empresa. Com isso, aplicou a tese do STJ e fixou honorários de 10% sobre o valor da causa. A empresa se viu obrigada a pagar R$ 1,7 milhão pela sucumbência, valor que foi alvo de cumprimento provisório de sentença.

Em decisão monocrática de agosto de 2022, o relator, ministro Moura Ribeiro, apontou que “talvez seja plausível a razoabilidade dos argumentos apresentados quanto a possibilidade de fixação da verba honorária com base na equidade”, já que o arbitramento pela regra do parágrafo 2º do artigo 85 do CPC gerará condenação “desproporcional e injusta”.

Na petição ao STJ, a empresa informou que foi alvo de bloqueio do valor milionário, apesar de oferecer bens para penhora. E avisou que tal medida é capaz de impedir a continuidade das atividades empresariais. Com isso, o ministro Moura Ribeiro concedeu efeito suspensivo ao recurso especial.

Prejuízo sucumbencial

O segundo processo afetado à Corte Especial é ainda mais grave, na opinião dos ministros da 3ª Turma. O REsp 1.824.564 trata de um caso de previdência privada em que uma segurada deu início ao cumprimento de sentença para cobrar R$ 1,1 milhão da Fundação Petrobrás de Seguridade Social (Petros). A entidade impugnou o valor e conseguiu reduzi-lo para R$ 22,9 mil.

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul se recusou a arbitrar os honorários com base em percentual sobre o valor da causa ou mesmo sobre o valor em excesso. A corte concluiu que isso causaria uma excessiva oneração da segurada e um “benefício injustificado” aos advogados vencedores, em afronta ao princípio da proporcionalidade.

Com isso, o TJ-RS usou a regra da equidade para fixar R$ 4 mil de sucumbência. Ao STJ, os advogados da Petros apontaram que a entidade teve um proveito milionário em razão da procedência da impugnação feita por eles e que a verba a receber, por isso, deveria ser muito maior.

A desproporcionalidade, aí, reside no fato de que arbitrar honorários e 10% sobre o valor da causa obrigará a beneficiária a pagar R$ 117,6 mil aos advogados da Petros, cinco vezes o montante que ela terá direito a receber por ter vencido a ação principal.

REsp 1.824.564.

REsp 1.743.330.

FONTE: Conjur – Por Danilo Vital

Receba nossas newsletters
Categorias