Telefone: (11) 3578-8624

GARANTIA DE CRÉDITO DO BNDES PARA PEQUENA EMPRESA DEVE ENTRAR EM OPERAÇÃO EM JULHO

19 de junho de 2020

Um programa de garantia de empréstimos de bancos para micro, pequenas e médias empresas deve entrar em vigor em julho, disse hoje o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano.

Chamado de Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac), a ferramenta é uma tentativa do governo de fazer com que empreendedores impactados pelas medidas de quarentena contra o coronavírus tenham acesso a recursos para manter seus negócios, evitando demissões em massa.

“Estamos em conversa semanal com a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) para colocar isso de pé… Deve começar a rodar no começo do mês que vem”, disse Montezano durante conferência online promovida pela XP.

Segundo ele, o Peac funciona como uma espécie de seguro a empréstimos concedidos por bancos comerciais para reembolsar as instituições financeiras em caso de inadimplência. O governo de Jair Bolsonaro tem sido criticado porque boa parte dos recursos para enfrentar a crise econômica gerada pelo coronavírus não está chegando a pequenas e médias empresas do país.

O Peac permite que para cada real perdido do empréstimo concedido ao pequeno e médio empresário, o Tesouro, via BNDES, reembolse R$ 0,80, explicou Montezano, acrescentando o programa começa com R$ 25 bilhões “e poderá chegar a 80 bilhões se tiver uma boa performance”. Além disso, na carteira total do banco, o Tesouro garante os 20% da primeira perda.

“Muitas empresas hoje têm dificuldade de garantia, os bancos querem garantia, a empresa não tem para dar, então o Tesouro dá essa garantia, assumindo a perda se o crédito tiver algum problema”, disse Montezano.

No início do mês, o governo publicou medida provisória que viabilizou o Peac, ao autorizar a União a aumentar em até R$ 20 bilhões sua participação no Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), administrado pelo BNDES.

Montezano disse também que o Peac poderá ser mantido após o fim da epidemia de covid-19. “Isso chegou para ficar. Se tornou uma medida emergencial, mas se tornará perene depois da crise.”

*Edição por Aluísio Alves

Fonte: UOL

Receba nossas newsletters